Reflexão para o Advento | A Força do Esperançar


A nossa vida podemos imaginar como um rio, uma corrente que nasce na sua fonte nas montanhas e flui até a foz, até o mar. É a corrente da vida, a corrente do tempo. Podemos imaginar que nós estamos num determinado ponto deste rio, e podemos olhar para cima, para a fonte, ou olhar para baixo, para a foz. Normalmente pensamos que a fonte da nossa vida, o começo de tudo está no passado, e o fim, a foz, o mar, está no futuro. Assim a fonte nas montanhas seria o nosso nascimento e a foz no mar a nossa morte. Isto é assim para tudo aquilo que obedece as leis da natureza, as leis da terra, a lei da causalidade, onde o passado determina o presente. Isto é assim para o nosso corpo.

Mas se nós pensamos nos nosso ideais, naquilo que nos motiva a realizar algo positivo nesta vida, então a imagem do rio muda. Os nossos ideais são a fonte da nossa vida anímica, mas eles não estão no passado, eles estão no futuro e nos chamam a ir ao seu encontro. No presente eles se realizam na medida que nós conseguimos realizá-los, e então se tornam passado. Quando olhamos para os nossos ideais a imagem da corrente da nossa vida pode se inverter: os nossos ideais estão nas alturas, na fonte, no futuro. Aquilo que nós tentamos realizar se torna passado e flui para baixo, para a foz, para o mar.

Nestas correntes da vida, nestas correntes do tempo estamos nós: na que flui do passado para o futuro estamos com o nosso corpo, na que flui do futuro para o passado estamos com a nossa alma. Estamos como que boiando no meio do rio. Agora podemos ficar boiando, sendo levado pela correnteza do tempo rio abaixo até o mar. Ou podemos tentar nadar contra a correnteza do tempo, rio acima, para a fonte.

É mais cômodo ficar boiando até o mar. Mas isto significa só viver na esfera da natureza, da terra. É o caminho do nascimento até a morte, o caminho do corpo. Mas a nossa alma pode desenvolver uma força e nadar contra a correnteza do tempo, aspirar a chegar mais próximo da fonte dos nossos ideais. Isto é muito mais exaustivo, mas leva o homem à sua meta real.

Esta força ativa de confiar em um futuro, confiar nos ideais da humanidade, se esforçar para estar mais próximo da fonte dos ideais, esta é a força de ter esperança. Ter esperança não significa ficar boiando na corrente do tempo esperando o que o futuro nos trará. Isto é estar na espera e não ter esperança. Ter esperança significa lutar contra a corrente do tempo porque acreditamos nos nossos ideais e queremos nos esforçar para que eles se realizem por nós. Para isto existe um verbo na língua portuguesa que infelizmente não usamos mais. Esta esperança ativa significa esperançar. Nós não devemos esperar por um futuro melhor, devemos esperançar por um futuro melhor sentindo a responsabilidade de realizá-lo.

Toda vez que ouvimos num sacramento a palavra esperar devemos sentir que o que queremos não é esperar passivamente, queremos esperar ativamente, queremos esperançar. Advento significa aquilo que está chegando do futuro. Que esta época do Advento renove em nós a força de nadar contra a correnteza, a força de acreditar nos nossos ideais, a força de esperançar. João Torunsky

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square