O Gnomo e as Maçãs

Sob um grande pinheiro, pertinho de um caminho, vivia um pequeno gnomo, não maior que um cogumelo. Quando o inverno começava a trazer seus ventos, o pequeno gnomo achou que precisava colher as maçãs da horta, para logo encher a despensa com saborosas geléias de maçã para passar o longo inverno. No dia seguinte, bem cedinho, ele colocou as botas, vestiu o casaco e seu gorro, colocou sua mochila nas costas e começou a caminhar.

Assim que ele entrou no bosque, ouviu um pequeno barulho: Crec, Crec, Crec. Era uma raposa que o observava com seu olhar esperto e seus olhos verdes. Corre que corre! Mais veloz que um veado, o pequeno gnomo correu de volta para sua casa e disse: “Ufa! Essa foi por pouco! Melhor deixar para amanhã.” No dia seguinte, bem cedinho, ele colocou as botas novamente, vestiu o casaco e seu gorro, colocou sua mochila nas costas e começou a caminhar. Desta vez, atravessou o bosque sem sobressaltos e chegou a um belo campo onde pastavam algumas vacas: Muuuu, Muuuu, Muuuu...

A maior de todas as vacas tirou sua longa língua para fora, como se quisesse comer o pequeno gnomo, e ele, muito assustado, voltou correndo até seu pinheiro: “Ufa! Aí eu quase deixei a vida! Voltarei um outro dia!”. 36 E assim foi. No dia seguinte, acordou ouvindo tocar os sinos da cidade. Colocou suas botas, vestiu seu casaco, o pequeno gorro e, com a mochila nas costas, atravessou a floresta, cruzou o belo prado e chegou até a horta. Mas as maçãs estavam tão altas na macieira, e ele era tão pequenino, que, por mais que se esticasse, não conseguia alcançar!

O vento, que naquele momento passava por ali, brincava alegremente entre os galhos da árvore. Ao ver o gnomo tão triste, decidiu soprar um pouco até fazer cair gentilmente a mais suculenta e doce maçã nas mãos do gnomo. Que feliz ele ficou! Depois de agradecer o vento alegremente, guardou a maçã na mochila e voltou para sua casa. E vocês sabem o que aconteceu depois? Na sua casa, o pequeno gnomo comeu um pedacinho de maçã até ficar bem saciado, e depois cortou em pedaços a maçã que restava.

Colocou em uma panela com açúcar e dando voltas e mais voltas, fez uma geléia deliciosa. E isso não foi tudo! Ao acabar, encheu seus potinhos de vidro com a geléia e as guardou na despensa. Como ele ficou contente com seu trabalho! Quando acabou, e tinha todos os potes cheios, estava tão cansado que deitou na sua caminha de musgo e dormiu. E a lua, da janela, docemente cantou para lhe ninar

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square